Guerreiro do Divino Amor

Guerreiro do Divino Amor, 1983 | Rio de Janeiro, RJ
guerreirododivinoamor.com

Mestre em arquitetura. Sua pesquisa explora as Superficções – forças ocultas que interferem na construção do território e do imaginário coletivo. Ele constrói um universo de ficção científica a partir de fragmentos de realidade, tomando forma de filmes, publicações e instalações. Participou de exposições na Fundação Iberê Camargo, Casa França-Brasil, MAR, CAC de Vilnius e Arte Pará 2018. Em 2018 realizou a individual “Superficções” no Paço das Artes no MIS-SP. Seus filmes foram exibidos em várias mostras e festivais nacionais e internacionais.

Em seu projeto Atlas Superficcional Mundial, Guerreiro do Divino Amor vem criando um universo de ficção científica a partir de elementos da realidade social contemporânea. Sua poética parte de confrontos e composições entre duas orientações civilizatórias que disputam o controle da Terra e da mente dos seus habitantes: o império, com sua lógica colonial, matemática e higienista, e a pluriversal e instintiva galáxia, que remete à Terra como um pequeno planeta de um grande sistema que em muito nos ultrapassa.

Dentro do projeto, que inclui criações audiovisuais, instalações e publicações impressas, o artista vem realizando uma análise crítica da sociedade brasileira a partir de estudos multidisciplinares sobre cidades como o Rio de Janeiro, onde vive, além de São Paulo e Brasília. Trazendo o excesso como recorrente recurso de linguagem, investiga as múltiplas ficções e mitos em torno dessas cidades e chama atenção a imaginários coletivos concorrentes que, sobretudo por meio de canais midiáticos, rondam as metrópoles brasileiras.

No Bolsa Pampulha, o artista se propõe a incluir Ouro Preto e Belo Horizonte neste mapa crítico, entendendo as superficções mineiras como protótipos de um racionalismo místico e abstrato que encontraria seu ápice na criação de Brasília.