Programação

O Bolsa Pampulha oferece uma programação aberta ao público, com ações mensais. Oficinas serão conduzidas por artistas visitantes, e falas abertas pelas curadoras que integram a comissão de acompanhamento. Além dessas, ações serão oferecidas pelos bolsistas, durante o período de residência, e acompanhando a programação da exposição.

C U R A D O R A S
E   A R T I S T A S   C O N V I D A D A S

‘A CONSTRUÇÃO DE UM
VOCABULÁRIO ANTICOLONIAL’
COM BEATRIZ LEMOS
→ VEJA O REGISTRO


‘A ARTE COMO RESPOSTA
À CRISE SOCIAL QUE VIVEMOS

COM VIRGÍNIA DE MEDEIROS

→ VEJA O REGISTRO


‘SERTÃO: PROJETOS DE EXPERIMENTAÇÃO,
PROJETOS DE RESISTÊNCIA’
COM JÚLIA REBOUÇAS
→ VEJA O REGISTRO


‘DO ARQUIVO À CIRCULAÇÃO DAS IMAGENS
E DE VOLTA PARA O ARQUIVO’
COM ROSÂNGELA RENNÓ
→ VEJA O REGISTRO


‘COMO ENSINAR O QUE NA
REALIDADE SE QUER APRENDER?’
COM MÔNICA HOFF
→ VEJA O REGISTRO


‘FOTOGRAFIA E MEMÓRIA’
COM ALINE MOTTA
→ REGISTRO EM BREVE


A R T I S T A S
B O L S I S T A S

UMUARAMA
MUTIRÃO DE PLANTIO DE MANDIOCA

COM SALLISA ROSA
→ REGISTRO EM BREVE


IMAGEM E DECOLONIZAÇÃO
OFICINA DE CARTAZES
COM SALLISA ROSA
→ REGISTRO EM BREVE


GALERIA ITINERANTE DANDARA

‘SE ESSA RUA FOSSE MINHA’
COM DESALI
→ REGISTRO EM BREVE


NAVIOS DE TERRA
EXIBIÇÃO E SESSÃO COMENTADA
COM SIMONE CORTEZÃO
→ REGISTRO EM BREVE


PESCADOR TECENDO REDE É ARANHA
OFICINA DE REDE DE PESCA
COM DAVI NASCIMENTO
→ REGISTRO EM BREVE

E X P O S I Ç Ã O   7ª   B O L S A   P A M P U L H A
14 SETEMBRO A 17 NOVEMBRO
TERÇA A DOMINGO – 9H ÀS 18H
MUSEU DE ARTE DA PAMPULHA


FOTOPERFORMANCE POPULAR
24 E 25 SETEMBRO, 14H ÀS 17H30
OFICINA COM ALEX OLIVEIRA
LOCAL: CÂMERASETE – CENTRO
INSCREVA-SE

Alex Oliveira promove a oficina-compartilhamento Fotoperformance Popular, que parte, inicialmente, de uma conversa sobre o processo ao longo do três meses de instalação diária do estúdio-performance na Praça Sete. Neste diálogo, o artista divide possibilidades e potências em torno da ocupação e intervenção com a fotografia na cidade.
Os participantes serão suscitados a criarem suas fotoperformances no espaço urbano, dividindo com os transeuntes suas respectivas ações performáticas. A partir da técnica do lambe-lembe, irão compartilhar as fotoperformances produzidas, colando-as em pontos em torno da Praça Sete.
+ sobre alex oliveira

CONFERÊNCIA SUPERFICCIONAL
25 SETEMBRO, 19H ÀS 21H
AÇÃO COM GUERREIRO DO DIVINO AMOR
LOCAL: CINE SANTA TERESA

A Conferência Superficcional apresenta a genêse e os caminhos do processo de construção do Atlas Superficcional, com exibição dos curtas: A Batalha de Bruxelas, Guerra entre Império e a Galáxia: a escala local e mundial, SuperRio: um ecossistema superficcional do Rio de Janeiro pré-olímpico, Clube da Criança: cosmogonia do desabrochar do desejo na infância, Supercomplexo Metropolitano Expandido: máquina superficcional de poder sucesso e expansão, Helvetia: panteão alegórico, Brasília: futuro como cristalização do passado, e Construções da mineralidade: famílias mineiras, cozinha mineral, propriedades dos minerais. ⠀
+ sobre guerreiro do divino amor

TRAVA FANTÁSTICA, LITERATURA E COMPOSIÇÃO DE TRAVESTI
26 E 27 SETEMBRO, 17H ÀS 20H
OFICINA DE ESCRITA COM VENTURA PROFANA
LOCAL: BIBLIOTECA DO MUSEU DE MODA – MUMO
INSCREVA-SE

Com o objetivo de discutir a potência da escrita no vislumbre e demarcação de outras possibilidades de vida, Ventura Profana apresentará, em dois encontros, trechos de escritos, letras de canções, manifestos produzidos por travestis da última década.
De que maneira as palavras exercem poder sobre a realidade? Literatura de trava é arma de guerra.
Leituras de autoras como Jota Mombaça, Linn da Quebrada, Jup do Bairro, Rosa Luz e Monna Brutal serão discutidas.
+ sobre ventura profana

CORPO PIXADOR E CORPO PERFORMER
A ESTÉTICA DA PIXAÇÃO A PARTIR DE CORPOGRAFIAS URBANAS
27 SETEMBRO, 14H ÀS 16H
PALESTRA COM GÊ VIANA E WANATTA
LOCAL: ESCOLA LIVRE ARENA DA CULTURA

A presente fala e pesquisa surge da performance Corpografias do Pixo, cujas apresentações proporcionaram a análise do fenômeno da pixação nas cidades de Teresina, São Luís, Fortaleza, Brasília e São Paulo. Essas cidades serão analisadas a partir do seu contexto social e histórico, com foco nos primeiros movimentos de pixação e respectivas particularidades locais. Analisa-se a estética das pixações, seus processos de criação e o corpo dos indivíduos durante o ato de pixar. + leia mais
+ sobre gê viana